quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012


Unidos com Cristo
Texto: “Quem não é por mim é contra mim; e quem comigo não ajunta espalha” (Mt 12.30)
Jesus neste verso nos trás uma revelação maravilhosa, maravilhosa, mas ao mesmo tempo perturbadora, pois Ele nos adverte sobre o perigo de estar em cima do muro e nos convida a juntos com ele ajuntarmos as bênçãos divinas.
Nós seres humanos, sofremos de um mal terrível, que é o mal da indecisão e a cada geração que surge, esse problema fica pior. O homem moderno não sabe mais se é certo ser heterossexual, ou se o certo é ser diferente, não sabe se deve casar ou se ficar solteiro é a melhor opção. Em fim é um turbilhão de dúvidas e conflitos que assaltam a mente do homem moderno, pois afinal de contas, vivemos num mundo onde toda a verdade é relativa! Tudo depende da hora e da ocasião e infelizmente isso se reflete no campo da espiritualidade, porem, esse ser religioso confuso e relativo, não é privilégio da modernidade, mas algo presente na História do povo de Israel e da Igreja.
O mundo não sabe em que acreditar se em Deus ou no diabo! Certa vez um matemático muito conceituado, Blaise Pascal, fora interrogado a cerca da existência de Deus e após fazer seus famosos cálculos, ele revelou o seu resultado: havia 50% de chances de Deus existir, logo, segundo ele, era mais prudente acreditar na existência de Deus, pois do contrário, as conseqüências seriam terríveis.  
Pascal se revelou nada mais do que um indeciso, alguém que não queria negar a existência de Deus, ou que até acreditasse realmente em Deus, mas com reservas. Sua teoria podia agradar a muitos e convencer a poucos, mas para Deus, apenas revelava mais um coração indeciso. Se Pascal pretendia ir para o céu com essa estratégia, receio que ele se deu mal.
A própria palavra de Deus é cheia de exemplos de pessoas indecisas, ou de ultimatos divinos para seu povo se decidir, em que lado ficaria nesse conflito espiritual entre o céu e o inferno.
Em Deuteronômio 30.15-20, O Senhor faz um ultimato ao povo de Israel, e coloca diante deles a benção e a maldição. Eles teriam de escolher, se fizessem a vontade de Deus (isto é, se decidissem obedecer a Deus) a benção cairia sobre eles, do contrário, a maldição! Percebam que não existe meio termo, ou esta com Deus e com a igreja, ou se esta fora dela e das bênçãos divinas!
Também o profeta Elias, convoca ao povo de Israel a tomar uma decisão definitiva, ou Baal era Deus, ou o Senhor era Deus! (1Rs 18.21).
Já no Novo Testamento, podemos observar o quanto Deus fica irritado com as indecisões de seus filhos, pois Ele repreende a igreja de Laudiceia, afirmando que a vomitaria de sua boca (Ap 3.15,16).   
Não há como ficar indiferente a esta questão, temos que nos posicionar a favor de Cristo, Ele mesmo afirma isso no texto que lemos no início dessa mensagem: “Quem não é por mim é contra mim; e quem comigo não ajunta espalha” (Mt 12.30)
Dessa afirmação de Cristo podemos tirar três coisas importantes para nossa vida:
a) Mesmo se posicionando de forma neutra no terreno da fé, para Deus o simples fato de você não se envolver com Ele, significa rejeitá-lo totalmente.
b) Essa rejeição implica passar para o lado do inimigo (Satanás), pois sua neutralidade na fé se constitui no mundo espiritual um soldado a menos no exercito de Cristo e um a mais no do diabo! “Todo aquele que não esta Me ajudando, esta Me atrapalhando” (A Bíblia Viva. Mt 12.30).
c) A terceira e última lição ensinada por Cristo nesse texto, é que Ele esta junto com aqueles que realmente acreditam em seu nome e que testemunham ao mundo o seu amor. Perceba que Ele esta se referindo a uma união com seus seguidores, isso, no que se refere à obra é claro “e quem comigo”.
Há a extrema necessidade de crermos realmente em Deus, com todo o nosso coração e intelecto, como também há a necessidade de nos unirmos pela causa do mestre, pois ele falou em ajuntar! Há uma obra a ser realizada nessa terra e Deus conta com você para juntamente com Ele alcançar e conquistar novas almas para o seu reino. Somos uma família na fé, um exército no campo de batalha e um rebanho do bom pastor.
Ninguém é uma ilha, todos precisam estar juntos nessa jornada espiritual, todos precisam estar unidos em Cristo, para com ele ajuntarmos os frutos espirituais e amarrarmos o valente saqueando sua casa, conquistando para Deus o maior número de almas possíveis para Cristo.
Deus vos abençoe!
Pr. Igor de Moura Cogoy 

Um comentário:

Anônimo disse...

Olá, Igor. É o Renan do curso. Eu gostei muito do último texto, que li. Ainda não tive tempo para ler os outros, mais ainda o farei. Gostaria de colocar uma opinião minha. Com todo o respeito a sua pessoa, sem quaisquer intenções de discórdia, apenas com intensão de partilhar, ainda que sua opinião seja diferente da minha, é sempre bom termos visões e opiniões diferentes para aprendermos com os outros.

Pois, bem. Lendo o texto, tive a impressão de que, se um indivíduo de outra Religião, bem diferente da cristã, aceitar o Cristo, mas continuando com em sua religião, apenas reconhecendo os cristãos como seus irmãos, e compreendendo que a Religião dele tem unidade e semelhança com o Cristianismo. Nesta situação hipotética, qual a ética cristã que você acha deveríamos ter? Repudiar, ou dependendo do caso, aceitar ele de braços abertos como cristão!

Parábens, pelo blog! É sempre bom, trocarmos ideias, partilhar saberes, pois assim nos reconstruimos a cada dia. No trecho acima, já tenho minha certeza, quanto à ética cristã. Só gostaria de verificar sua posição.

Obrigado

Renan - Licenciando em História pela Uniasselvi